"Muitas crianças iguais a mim estão me procurando para me pedir ajuda", conta Melissa Doblado

Melissa e Estrela, sua égua, durante um passeio neste domingo (19) (Arquivo pessoal)
Um dos assuntos mais comentados da semana em rodas de conversa, foi a série que o "Fantástico" estreou no último domingo (12) sobre o público trans. Entre os personagens ali citados, estava uma garota de 11 anos, Melissa Doblado de Fazzio.

Mel, como prefere ser chamada, deu seu depoimento de vida e chamou a atenção pela seriedade em que deu seu depoimento. GERALDOPOST acompanhou a repercussão nas redes sociais, especialmente no twitter, e percebeu que Mel, tinha mais para falar.

Convidei Mel e sua mãe, Karina, para falarem sobre o assunto. Mel é uma garota que nasceu menino e desde muito pequena não se identificava com o corpo masculino. "As coisas vão acontecendo gradativamente, a mel desde muito pequena sempre teve um jeito feminino, só se interessava por coisas de menina, mas a informação de que tem essa condição psicológica e fisiológica denominada transgêneros eu não conhecia", conta a mãe da garota. Karina chegou a se separar do marido, que não entendia a não identificação de gênero da filha, então com nove anos de idade.

Karina conta que para ela também não foi fácil: "Tive que enterrar o Miguel para nascer a Mel, e não é fácil enterrar um filho vivo, mas fiz isso sabendo que era a coisa certa. Porque ganhei uma filha linda e feliz". Ela e o marido ficaram separados por um ano, mas o núcleo familiar não estava desintegrado, eles continuaram em contato e com os cuidados mútuos e resolveram voltar, se dando uma nova chance.

O retorno não foi fácil, Renato, o pai de Mel, continuava não aceitando a filha, mas o destino estava jogando a favor desta família. Quando Mel, decidiu ir a uma festa como ela mesma, Karina não pode ir por que o filho mais novo do casal estava doente, o pai, em um ato sensato e definitivo levou a filha: "gente, eu queria apresentar para vocês a minha filha, a Melissa, e olha: cuidem bem dela tá?".

"Se eu pudesse escolher escolheria um filho homossexual e não trans. Por que o homossexual não toma hormônio, não muda o nome não faz bloqueio. Mas quando tive esse conhecimento, deixei ela ser ela na Mesma hora", conta Karina. Mel tem uma égua, chamada Estrela, hoje foi passear com ela e deixou de ir em uma festa, quer ser youtuber e ganhar dinheiro para fazer aula de hipismo e de salto. Abaixo o texto que Melissa Doblado de Fazzio, nos mandou com exclusividade:


Olá, sou a Mel
Estou aqui para falar um pouco do meu sentimento em relação à minha participação no “Fantástico”. Antes de sair a matéria todos falavam para mim que era perigoso, mas eu não achava justo por que eu não tinha nada para me esconder.
Já tive muito medo das pessoas saberem que eu já fui menino, delas não gostarem de mim. Estou muito feliz por que agora todos já sabem e já entenderam o que significa ser diferente estou recebendo muitos elogios do Brasil todo.
Mas eu sei que ainda tem muita coisa para ser falada e entendida, mas o pouco que fiz já ajudou muitas crianças, graças a Deus. Por que é muito ruim viver uma vida que não é sua. E eu ficava muito triste quando eu ía em uma loja e tinha que comprar uma bermuda do que um vestido, isso me deixava muito triste e muito deprimida, eu olhava os vestidos e pensava: “que lindo!”, pensava, “Será que um dia vou usar?”.
Mesmo assim sei que têm pessoas que me amam e que sentem orgulho de mim, mesmo quando me sinto para baixo, por que é isso que casos parecidos com o meu devem sentir, tristeza e angústia por ser outra pessoa que não e de verdade.
Por isso devemos assumir quem somos, e quem, e o que nos faz realmente feliz, por isso amo andar de cavalo, me sinto livre para fazer o que eu quiser. Estou me sentindo livre, igual quando corro com meu cavalo, posso ir onde eu quiser e fazer o que quiser, sem ter medo de ser ‘tirada’ sarro ou sofrer, e ser deixada de lado.
Muitas crianças iguais a mim estão me procurando para me pedir ajuda e isso e muito triste por que têm casos que os familiares não entendem, mas estou feliz em poder ajudar.  E por causa disso tudo que decidi fazer a entrevista, e por isso que sou quem eu sou e não tenho vergonha de assumir nada.
Obrigada a todos que me apoiam, e os que estão falando mal de mim e da minha família, espero que um dia entendam que não faço nada para prejudicar ninguém, sou apenas como sou: “Feliz”.
LEIA MAIS

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.