About Me

Tom Daley é vítima de homofobia; veja mais casos de preconceito em Londres


O ídolo britânico, atleta de salto ornamental, e um dos maiores destaques dos Jogos Olímpicos de 2012, foi vítima de homofobia na última semana.
Na sexta (3) o jogador de futebol do País de Gales, Daniel Thomas, publicou em seu perfil no Twitter “Pelo menos, Daley e Waterfield têm um ao outro quando acabar a competição”, escreveu o jogador, usando a hashtag “#TeamHIV”.
Thomas foi suspenso dos jogos e afirmou que alguém pegou seu celular e tuitou a frase, mas os dirigentes do time que ele joga decidiu afasta-lo. Daley ainda foi vítima de um outro usuário da rede social, que teria dito que o pai do atleta teria ficado decepcionado com o quarto lugar que Daley ter conquistado.
O rapaz tem 17 anos e seu pai faleceu em 2009.

E MAIS
Mas não foi só Daley qye sofre com o precondeito não, o suiço Michel Morganella fez um comentário preconceituoso contra atletas sul-coreanos, após ser derrotado por eles, foi eliminado das Olimpíadas, mas não foi preso.
Antes mesmo do início das Olimpíadas de Londres a grega Paraskevi Papachristou foi expulsa da delegação grega após debochar de imigrantes africanos.
A judoca brasileira Rafaela Silva usou também o Twitter para desabafar e gerou polêmica, ela foi eliminada após dar um golpe ilegal em uma das lutas, mas sua técnica afirma que ela foi chamada de 'macaca'.
O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) disse em nota que daria total apoio jurídico à atleta que resolvou não dar prosseguimento ao caso.
"O Brasil é um país multirracial e não se deve admitir e tolerar, sob nenhuma hipótese, atitudes que estimulem qualquer tipo de segregação" disse em nota o COB.

Veja +
Tom aley, ídolo britânico, em vídeo pop
A sunga de Tom Daley dá trabalho à estilista Stella MacCartney

Postar um comentário

1 Comentários

Adilson disse…
Meu amigo Geraldo, creio que a nossa geração ainda não verá essa tolerância toda que é pregada na mídia e nas redes por aí. Demos sim, um largo passo, mas as pessoas batem no peito se dizem sem preconceitos, mas quando a água bate na bunda, o povo se incomoda e o discurso muda. Hoje ouvi de um cidadão Angolano há 15 anos no Brasil, uma frase que me deixou um tanto impressionado, disse ele: "O preconceito racial no Brasil é muito maior do que na Alemanha". Quase que inconcebível uma coisa dessas...Vou refletir. Cara, parabéns pelo espaço, visitarei com mais frequência.