About Me

#Emfamília: "Até nisso a mulheres têm menos direito que os homens" diz Manoel Carlos sobre lésbicas

Manoel Carlos autor de "Em família"
Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo desta segunda (15) o autor Manoel Carlos criticou o machismo e comentou o fato de sua novela ser a menor audiência das novelas das nove de todos os tempos "Estranho que os jornais não façam matérias procurando saber a razão do Rio ter números tão diferentes dos de São Paulo" disse o autor ao comentar que no Rio de Janeiro a audiência de Em Família é, geralmente, maior que em São Paulo.
"Dizer que boa audiência é a partir de 35% é apenas papagaiar por que a Globo definiu como meta há muitos anos e logo logo terá que rever e mudar esses parâmetros" disse. Sobre a aceitação menor do casal de lésbicas em comparação ao casal de gays masculinos da novela Amor à Vida, Maneco concordou que o Brasil é machista "Sem dúvida alguma. Até nisso as mulhetes têm menos direitos do que os homens".
"Sempre foi assim. Vi muitas cenas agressivas contra mulheres homossexuais, há 50, 60 anos. De lá pra cá não houve tanta mudança, ainda que muita gente finja ao contrário" e concluiu "As pessoas - em sua maioria - não aceitam com facilidade essas diferenças, assim como outras, entre elas a da cor da pele."
Questionado sobre ter errado a mão na novela que acaba nesta sexta ele disse que "Se cometi erros sendo dessa maneira, então errei sempre" afirmando que não mudou o estilo de contar novelas desde Maria Maria que foi ao ar há 36 anos "Pode ser que os tempos sejam outros e que não haja mais tanto espaço para se conversar nas novelas. Todos têm pressa, telegrafam seus sentimentos" e concluiu que "é um sintoma. Mas pode-se viver no futuro um renascimento, em que a palavra volte a ocupar um lugar de relevo."

Postar um comentário

1 Comentários

Anônimo disse…
Incrível, nao entendo tamanho preconceito, toda gente tem o direito de ser feliz, mulher com mulher, homem com homem, seja como for, ninguém tem o direito de julgar ninguém... ja fui e continuo a ser vítima de preconceito, luto pela minha felicidade, todos os dias. Mas como se costuma dizer quem eu quero nao me que, quem me quer eu nao quero. Vivo a lutar pela mulher que amo.. cho que ja chega dr machismo