STF nega liminar para bloquear rito do impeachment

O Ministro Toeri Zavascki, do Supremo Tribunal federal - TSF negou nesta quarta-feira, dia 11, o pedido da presidente Dilma Rousseff (PT) para suspender o rito do impeachment, no Senado. A votação está acontecendo neste momento sob comando do presidente Renan Calheiro, que é o segundo na escala de Presidência da República.

Esta foi a última ação da presidenta para tentar barrar a votação do impeachment que deve acabar no final da noite desta quarta ou madrugada desta quinta-feira, dia 12. A sessão foi interrompida por Calheiros às 12h30 para almoço, cinco dos 81 Senadores já falaram.


Marina Silva (Rede) publicou em seu perfil no Twitter que "impeachment não é golpe, porém não resolve a crise", na tarde de segunda-feira, dia 9, ela publicou também na rede social que anular o impedimento era "inadmissível".

A hashtag #TchauQueridaDay é a mais usada pelo twitter, porém com muitas mensagens de apoio de críticas ao processo de impeachment. pelo menos três  Ministros devem faltar na sessão de votação e a maioria cai para 40.

Segundo a colunista da Folha, Monica Bergamo, os petistas defender que Dilma não assinem a notificação de seu afastamento nesta quinta, dia 12. Ao assinar a notificação ela deverá se afastar do cargo imediatamente, esperando até o dia seguinte, sexta-feira, dia 13 para tal.
"Nada mais apropriado do que um governo golpista assumir numa sexta-feira 13", disse o advogado Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do setorial jurídico do PT de São Paulo, à colunista.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.