About Me

Primeira Parada LGBT de São Paulo teve protesto contra a 'Rider' e contra 'Tiririca'

A primeira Parada LGBTQIA+ de São Paulo aconteceu em 28/61997 e desde então acontece todos os anos, na Avenida Paulista nº 900. GERALDOPOST encontrou uma reportagem da época, publicada pelo jornal Folha de S. Paulo. "Gays fazem passeata no Rio e em SP" (28/6/1997), reporta que a marcha faria protestos contra o cantor Tiririca e contra a marca de chinelos Rider.




Na reportagem "Gays quebram CDs de Tiririca em passeata" (30/6/1997), o jornal noticia a primeira Parada do Orgulho LGBT de São Paulo que reuniu 500 pessoas. "A parada foi organizada pelos patrocinadores do Mercado Mundo Mix -espécie de feira de moda e decoração. A caminhada começou na praça Charles Muller, no Pacaembu (zona noroeste), e terminou na Barra Funda (zona noroeste), onde funciona o mercado", diz a reportagem.

A passeata foi marcada por protestos contra a marca Rider (por uma comercial considerado homofóbico) e contra o cantor Tiririca "acusado de retratar homossexuais de modo jocoso", segundo a reportagem que não é assinada.

JULGAMENTO

"Conar decide manter filme da W/Brasil" (4/7/1997), informa que segundo a W/Brasil 'a suspensão do filme incitaria o cerceamento de qualquer peça publicitária que usasse o humor. Gasparini diz que a W/Brasil vai manter a linha de humor, embora sempre evitando confrontos com grupos minoritários'.



ESPECIAL



GERALDOPOST reúne no especial LGBT de 2020 a artes/convite de todas as Parada do Orgulho LGBT que foram organizadas entre 1997 e 2018, o especial que está no ar através da plataforma de revistas online JooMag é realizado desde 2012 e reúne matérias exclusivas sobre o público LGBT e é publicada sempre em Junho, nop m~es do orgulho LGBT que é comemorando mundialmente em 28 de junho.


FOTO: parte da exposição Exposição: Marcas - Imagens de São Paulo (2014/15), organizada pela USP. A mostra foi resultado da pesquisa iconográfica de André Bueno, Monica Alves e Camila Biau sobre a história das lutas e das conquistas por direitos humanos que marcaram a capital paulista.


Postar um comentário

0 Comentários