Gloria Perez ousa e trans fará papel de cisgênero em "A Força do Querer"

Esta notícia tem uma ERRATA
Spinelli na festa de lançamento da série SuperMax onde viveu Janete (reprodução/TV Globo)
Após ser criticada nas redes sociais e por parte da imprensa ao escalar uma atriz cisgênero para o papel de um transgênero na novela "A Força do Querer", a autora Glória Perez vai ousar colocando em cena uma transgênero interpretando uma mulher cisgênero na trama. A personagem, não é uma resposta às críticas, pois já estava prevista na trama.


LEIA TAMBÉM

A personagem em questão é Mira e será interpretada por Maria Clara Spinelli, na novela que estreia nesta segunda-feira (3) na Globo. A autora não quer dar detalhes do personagem, apenas o nome foi divulgado, e o jornal Extra, diz que será uma grande vilã. Notícia replicada pelo F5, mas a autora faz mistério.

Spinelli foi confirmada por Gloria com exclusividade a GERALDOPOST em janeiro em uma entrevista exclusiva, em que comentou a polêmica envolvendo à escalação de uma atriz cisgênero para viver um trans na novela.

Reportagem da época publicada no site "revista Geni"
A primeira atriz trans que surgiu na televisão brasileira foi Claudia Celeste, que em 1977 integrou o elenco da novela "Espelho Mágico", de Lauro César Muniz, na Globo. Mas a atriz não ficou muito tempo na novela, a censura dos anos de chumbo proibiam que qualquer travesti (época que não se falava em transexual e transgênero) de aparecer na TV - como na nota acima. A ditadura fez com que a emissora tirasse a personagem do ar. Diante da Ditadura Militar, que assolava o país, os homossexuais não podiam aparecer na televisão nem mesmo em teledramaturgia. Claudia foi demitida, por não poder aparecer e só voltou ao ar dez anos depois, em 1988.

LEIA TAMBÉM:


Em 1984, ainda sob o regime militar, na novela "Um Sonho a Mais", para fugir da polícia Volpone se vestia de Anabela, o personagem foi interpretado por Ney Latorraca. Ainda na novela outros três 'trans' apareceram, mas logo a censura mandou tirá-los de cena. Latorraca ficou, por estar claro de que ele se 'travestia' para fugir da polícia, as cenas eram emblemáticas no velho truque do humor.

Na novela "Olho por Olho", de José Loureiro, em 1988, na extinta TV Manchete, a atriz teve papel de destaque e foi a primeira e única vez que uma atriz trans fazia uma novela do começo ao fim. Em 1988 na Globo, a atriz Rogéria entrou na novela Tieta, de Aguinaldo Silva, Ricardo Linhares e Ana Maria Moreztsohn, para uma participação especial. A novela será reprisada a partir do dia 1º de maio, pelo Canal Viva.

MIRA

Gloria Perez vai abordar a identidade de gênero através de Ivana (Carol Duarte), já nas chamadas da novela é possível ver a discussão que a personagem irá se envolver. Joyce (Maria Fernanda Cândido), sua mãe, a criou como uma garota feminina e repleta de esteriótipos de feminilidade, como qualquer mãe de menina da vida real, já no primeiro capítulo haverá um embate entre as duas personagem sobre feminilidade. Joyce pedirá para que a filha passe maquiagem e use roupas femininas.

O transformismo também entrará em cena através do artista transformista, Nonato, interpretado pelo ator, produtor e diretor de teatral Silvero Pereira, um personagem especialmente criado para ele é um dos fundadores do coletivo "As Travestidas" e rodou o país com peças que discutem o universo das travestis do país, como a transfobia e as angústias em que estas pessoas, invisíveis do ponto de vista humanitário, sofrem.

A polêmica em torno de personagens transexuais não é de hoje, de uns anos para cá muito se questiona o fato de transexuais não serem chamadas para este tipo de personagem, e esta indagação foi realizada por GERALDOPOST, a autora que disse "[Nesta lógica] eu teria que ter importado um serial-killer do corredor da morte para interpretar o Edu de 'Dupla Identidade'".

Mira (Maria Clara Spinelli) vai marcar história, será a primeira vez que uma trans irá fazer um papel de uma mulher, não transexual, na faixa nobre. A atriz já fez papéis de mocinha e desta vez viverá uma vilã.

ERRATA: Diferentemente do que foi publicado anteriormente, não serrá a primeira vez que uma trans fará uma papel cisgênero na televisão brasileira. Roberta Close viveu Maitê esteve no elenco da novela Mandacaru (1997), um dos últimos grandes sucesso da Manchete. Close esteve envolvida em uma cena de beijo em que o ator Vicente Telles, não quis beijá-la. Em Lado a Lado (2013) Rogéria viveu na Globo a primeira trans a fazer papel de mulher, Alzira Celeste.

3 comentários

Allef disse...

A título de contribuição: Ziembinski interpretou um papel de mulher na novela O Bofe em plena ditadura militar, 1973, e Ney Matogrosso era figura constante na TV nesta mesma época. Além deles, o Clodovil era figura constante em programas de auditório na TV nesta mesma década.

Allef disse...

A título de contribuição: Ziembinski interpretou um papel de mulher na novela O Bofe, do começo ao fim, em plena ditadura militar. Além dele, Ney Matogrosso podia ser visto com frequência na TV nesta mesma época. Clodovil tbm era figura constante em programas de auditório nos anos 70.

domfernandus disse...

...então, mas só cantando ou fazendo vestidos para socialites, jamais abraçando nem beijando, ditadura, não poderiam , claro , falar de sua vida abertamente...canta e faz vestido, só. Não tinham uma vida. Quanto a Ziembinski...bom, era uma velha mulher, não precisaria fazer referencia nenhuma à sexo ou vida sexual...pois senhorinhas não tem , e quiçá , tiveram, vida sexual....tudo na surdina e por debaixo dos panos (pra ninguém saber) ehehehehe como diria Ney....

Tecnologia do Blogger.