"Tudo na vida tem uma motivação. A minha era por uma causa boa: amor", conta Bibi Perigosa a personagem da vida real em "A Força Do Querer" - geraldopost

Opinião, Informação e Entretenimento.

"Tudo na vida tem uma motivação. A minha era por uma causa boa: amor", conta Bibi Perigosa a personagem da vida real em "A Força Do Querer"

"Tudo na vida tem uma motivação. A minha era por uma causa boa: amor", conta Bibi Perigosa a personagem da vida real em "A Força Do Querer"

Share This
Fabiana Escobar a verdadeira Bibi Perigosa que na novela será interpretada por Juliana Paes (Arquivo Pessoal)
A vida de Bibi Perigosa é pública faz tempo, desde 2011, quando seu marido passou a aparecer cada vez mais nas páginas policiais dos jornais cariocas. Bibi Perigosa ganhou um adendo ao sobrenome, A Baronesa do Pó, em alusão ao poder que o marido tinha na Rocinha. Quando a UPP - Unidade de Polícia Pacificado entrou no morro carioca, Bibi chegou a aparecer  na TV. Foi a primeira vez que apareceu na Globo, seis anos depois ela irá aparecer diariamente na casa de milhões de pessoas, bom, ela não, mas a sua história sim.

Gloria Perez estava preparando a sinopse de sua próxima novela, quando, por obra do destino, a sua vida cruzou com a de Bibi, que postava coisas de sua vida em um blog. Gloria achou as histórias interessantes e procurou por ela. "Ela [Gloria Perez] começou a conversar muito comigo sobre a rotina na favela e um dia ela falou pra eu publicar no formato de livro por que era uma história muito interessante", conta a ex-Baronesa do Pó, com exclusividade para GERALDOPOST, por e-mail.

A novelista sempre usou as histórias de 'pessoas reais' em suas novelas e pediu para a Globo comprar os direitos da obra e tinha a a intenção em transformá-la em série, mas o projeto não vingou. Assim, Gloria agora vai utilizar da história da ex-baronesa do pó em uma das quatro protagonistas da novela "A Força do Querer", que estréia dia 3 de abril.

LEIA MAIS


No livro, que você ri e chora, acha tudo fantasioso demais e ao mesmo tempo incrível. Como uma mulher pode se envolver com um homem desses? A única explicação de tudo, são duas palavras "Por Amor" e é sob este mote que Gloria vai levar a vida de Bibi para a TV. A personagem será interpretada pela atriz Juliana Paes, as loucuras em que Bibi se meter na trama são todas inspiradas na vida real, porém, sem tocar em uma vida sequer na história de Saulo de Sá Silva, o ex-marido de Bibi.

Bibi conta que escreveu o livro, por incentivo de Gloria, mas também porque "saíram noticias falando de mim e muitas pessoas começaram a me atacar sem conhecimento de causa". Foi a forma que a garota de classe média do Rio de Janeiro, encontrou para se defender e mostrar para as pessoas os reais motivos que a levou para o mundo do crime. "Então foi a única forma que eu encontrei de expor tudo que aconteceu, pra aí sim as pessoas poderem formar uma opinião".

GERALDOPOST: De onde surgiu a ideia de escrever o livro?
FABIANA ESCOBAR: Inicialmente eu escrevi a minha história em um blog por que no período da entrada da UPP na Rocinha saíram notícias falando de mim e muitas pessoas começaram a me atacar sem conhecimento de causa. Então foi a única forma que eu encontrei de expor tudo que aconteceu, para aí sim as pessoas poderem formar uma opinião. Muitas notícias resumiam a história de forma pejorativa e outras até eram equivocadas. Foi nesse período que a Gloria Perez estava pesquisando para a novela "Salve Jorge" (2012) e achou meu blog. Ela começou a conversar muito comigo sobre a rotina na favela e um dia ela falou pra eu publicar no formato de livro por que era uma história muito interessante. Então segui o conselho dela e lancei o livro "Perigosa". 

GERALDOPOST: Quem é a Bibi Perigosa do livro/novela e quem é a Bibi de hoje?
FABIANA ESCOBAR: A Bibi do livro/novela pra de hoje é a mesma pessoa, só que com mais maturidade, cautela e muita gratidão por algumas pessoas. Essa gratidão é o que me mantém sempre firme no propósito de não cometer as inconsequências do passado. Eu devo muito a pessoas que confiaram em mim, confiaram no que eu estava relatando, confiaram na minha mudança. Então a diferença da Bibi do livro é que hoje eu penso mais em mim e nas pessoas que confiam em mim. 

GERALDOPOST: Como está a expectativa em ser retrata em uma novela no horário nobre?
FABIANA ESCOBAR: Estou ansiosa pra agora eu ser a telespectadora da minha própria história sendo contada pelas maos de outra pessoa. E eu sei que, junto virão coisas boas, críticas construtivas e destrutivas, mas desde 2011 que eu já lido com esse tipo de repercussão positiva e negativa. Já estou acostumada. Então absorvo só que me faz bem. 

GERALDOPOST: Até que ponto a "perigosa" é pela máfia ou pela ousadia?
FABIANA ESCOBAR: O tipo de "máfia" que eu me envolvi necessita de muita ousadia. Porque eu tinha que lhe dar não só no crime isolado dentro do morro, como com todos os seguimentos que interagem com ele. Como polícia, presídio, jornalistas, fórum... E pra articular com tudo isso sendo um alvo fácil, viver no submundo e na sociedade ao mesmo tempo eu precisava ser verdadeiramente perigosa. Meu perigo era mais na estratégia, na articulação, na logística. De certo que se pisasse no meu calo o perigo era na prática também. Porque ossos do ofício sempre tem. 

GERALDOPOST: Tem saído notícias na imprensa, de que Bibi (Juliana Paes) é uma mafiosa. Como lidar com esta exposição torta?
FABIANA ESCOBAR: De certa forma essa notícia não é tao torta assim. Eu tenho perfeita noção das coisas certas e erradas que já fiz. Quando assistirem a novela e quem sabe lerem o livro vai ver esse lado mafiosa, mas vão ver também as motivação pra que isso ocorresse. Tudo na vida tem uma motivação. A minha era por uma causa boa: amor, mas que enveredou para um resultado ruim. Eu não me incomodo com esse pensamento e não condeno as pessoas de achar isso, mas sei que se eles se aprofundarem um pouco mais formarão outra opinião.  

GERALDOPOST: A Globo comprou os direitos do livro para fazer uma série, mas acabou sendo protagonista de novela. Esperava chegar neste sucesso?
FABIANA ESCOBAR: Pra falar a verdade já tem tantos anos que a minha vida se tornou pública que eu ja acostumei em ver ela sendo tratada pelas pessoas. É como se não me me pertencesse mais. Muitas pessoas tiram como lição, outras olham por curiosidade, outras apenas julgam e condenam. Eu doei a minha história e já vi, e vejo, ela sendo contada das mais diversas maneiras. Agora é especial por que a Gloria Perez é como um anjo na minha vida e eu confio de olhos fechados de como ela vai retratar isso na obra dela. Por isso essa novela é tão especial pra mim, por que sei que ela captou exatamente a mensagem do livro.

GERALDOPOST: Tem estimativa de quantos livros você já vendeu? As vendas tem crescido?
FABIANA ESCOBAR: Uns 4.000 exemplares contando com ebooks e livros. Sempre tem alguém comprando e tal.  Mas de verdade o mercado literário é muito difícil, complicado e pouco favorece os escritores. Escritor pobre pode ser infinitamente talentoso mas não consegue nada por falta de dinheiro. Exemplo disso é que o meu livro nunca foi vendido em uma livraria. Eu já tenho tres obras publicadas e a quarta estou escrevendo, porém não consegui coloca-los pra ser comercializado em livrarias e muito menos em alguma editora grande. 

A FORÇA DO QUERER

Na novela de Gloria Perez, Bibi vai terminar com o noivo após ser deixada de lado. Ela encontrará em Rubinho (Emílio Dantas) a grande paixão, e será por ele que ela cometerá as maiores loucuras por amor.


REPERCUSSÃO

Antes mesmo da estreia d anovela, a autora Gloria Perez tem enfrentando uma verdadeira batalha para explicar sua novela, calcada na vida real, as tramas são inspiradas na realidade nua e crua do ser humano e talvez por isso tem causado tamanha estranheza. A autora disse em entrevista ao jornal O Globo, que tem "vergonha alheia", das pessoas que acham suas tramas inverossímeis.

"Eu tenho que rir, né? Dá vergonha alheia quando ouço isso. O que entra nesse pacote do delírio? Clonagem humana, imigração ilegal para os EUA, tráfico de mulheres?", comentou a autora quando questionada sobre o assunto. A autora foi a primeira a levantar bandeiras na telenovela brasileira, na novela Partido Alto (1984) e conseguiu que a prefeitura do Rio de Janeiro colocasse uma linha de ônibus em um bairro do subúrbio, quando uma personagem reclamava que tinha de andar muitos quilômetros para ir e voltar do trabalho.

Abordou o preconceito contra os soropositivos, na novela Carmem (1987), fez uma campanha para discriminar a doença em uma época em que pouco se sabia sobre o assunto. Com Bibi em cena não será diferente, a personagem é "inspirada numa pessoa real, a Bibi Perigosa, a baronesa do pó da Rocinha, que por amar demais, acabou no mundo do crime".

LEIA TAMBÉM

Pages