Manual de Comunicação explica o significado das letras da militância LGBTQI+, entenda! - geraldopost

Opinião, Informação e Entretenimento.

Manual de Comunicação explica o significado das letras da militância LGBTQI+, entenda!

Manual de Comunicação explica o significado das letras da militância LGBTQI+, entenda!

Share This

A 22ª edição da Parada do orgulho LGBT de São Paulo acontece neste domingo (3) na Avenida Paulista, com o tema "Poder para LGBTI+, Nosso Voto, Nossa Voz", é considerado o maior evento de visibilidade LGBT do mundo. Chamada popularmente de "Parada Gay", a Parada LGBT mudou de nome, ou nomenclatura, justamente para ter mais representação em torno das diversas identidades e orientações sexuais que se foi descobrindo ao longo das últimas décadas. Mas na prática, apenas na última década, que se foi adotado o termo LGBT como definitivo.

LEIA TAMBÉM

LGBT é a sigla de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros. Na sigla da Parada LGBT deste ano, foram inseridos uma letra e um símbolo a mais: "I", que corresponde aos intersexo. "Intersexos é o que antes era chamado de hermafrodita. Intersexo é um termo utilizado para um grupo de variações congenitais de anatomia sexual ou reprodutiva que não se encaixam perfeitamente nas definições tradicionais de 'sexo masculino' ou 'sexo feminino'", explica a presidenta da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais - ABGLT. O símbolo de "+" foi incorporado para abranger orientações sexuais, identidades e expressões de gênero.

Em alguns momentos a sigla LGBTQ é utilizada, como em campanha recente da SKOL. A letra "Q", no alto no título desta postagem aparece para representar às pessoas que não se identificam com a heterossexualista ou binarismo de gênero. "De modo geral, para as pessoas que se identificam como queer, os termos lésbica, gay, e bissexual são percebidos como rótulos que restringem a amplitude e a vivência da sexualidade", relata o Manual de Comunicação LGBTI+, lançado há duas semanas.

Embora alguns veículos usem o termo "Parada Gay", para designar o evento, e assim fazem uma comunicação equivocada junto ao seu público de leitores, seja no jornal impresso ou na web.  O guia é uma espécie de Manual de Redação LGBT, como aqueles lançados pela O Estado de S. Paulo Folha (este segundo atualizado este ano), mas com a vertente de ser um ponto de educação no ponto de vista do cidadão. O manual ajuda, por exemplo, o jornalista e o formador de opinião de que forma usar termos. É importante, por exemplo, que profissionais de comunicação parem de usar termos como "o travesti", que é completamente errado. "A travesti é uma identidade essencialmente feminina", explica Larrat ex-coordenadora do projeto Transcidadania na Cidade de São Paulo.

LEIA MAIS - PARADA LGBT

"Ao contrário do que muita gente pensa, ser transexual/transgênero não necessariamente é ser homossexual. Essa questão causa muitas dúvidas em quem não está familiarizado com o universo das pessoas Transexuais. É comum a confusão de que ser um homem ou mulher transexual é, logo, ser homossexual", explica Alencar no artigo "Ser trans não necessariamente é ser homossexual" especialmente para GERALDOPOST.

"Terminologia mais atualizada sobre a população lésbica, gay, bissexual, travesti, transexual e intersexual (LGBTI+), trazendo à discussão temas importantes para o debate nacional e internacional sobre seus direitos", explica o texto de introdução do material.

Pages